Image Map


12/12/2018

No último sábado, dia 8 de dezembro, aconteceu a 8ª edição do Projeto Moda Rio – PMR Let’s Go.

O evento aconteceu no espaço Spaces, um coworking, situado dentro do Teatro Riachuelo no Centro do Rio.

Para quem não sabe o que é o Projeto Moda Rio, vou explicar rapidamente.

O Projeto Moda Rio, cujo idealizador é o Wallace Safra, é uma startup com foco na gestão de capital humano dentro do setor da moda carioca que possibilita ao mercado descobrir, mostrar, capacitar, desenvolver, instruir e construir novos profissionais e novos produtos em âmbito nacional.

A Oitava edição do projeto foi marcada pelo desfile de lançamento de 5 novas marcas que são grandes apostas para o setor da moda carioca.

Nesta edição foram apresentadas as marcas: Clichee, Luna, Doble, Geração P e Viviane Blanco.

A primeira marca a abrir o desfile foi a Clichee, que é uma marca de acessórios femininos inspiradas na diversidade da mulher brasileira.

Sua fundadora, a designer Gisele Barthar, começou a sua marca como hobby e hoje tem como missão espalhar a beleza por todos os cantos.

Suas peças eram delicadas, refinadas e com uma pegada étnica.

A segunda marca a desfilar foi a Luna. Luna é uma marca de moda masculina e moda praia masculina.

Seu designer, Felipe Luna, tem 22 anos, é morador de Nova Iguaçu (Baixada Fluminense do RJ) e usou como inspiração para a sua coleção as raízes do samba.

Sua coleção foi marcada por peças confortáveis e estilosas. Além disso, apresentavam um estilo urbano e descontraído.

Doble foi a terceira a marca a desfilar. À frente da marca esta o designer Lucas Miranda, também morador de Nova Iguaçu, e suas peças se destacam por serem pretas e/ou brancas.

A combinação entre as cores, os cortes e modelagens trouxeram um ar de sofisticação, mas ao mesmo tempo, moderna e contemporânea.

A penúltima marca a desfilar foi a Geração P e, modéstia a parte, a minha preferida. Quem está a frente da Geração P é o designer Izaquis de Paulo de 53 anos e sua missão é abrir portas para construir o novo com a qualidade e tradição do passado.

Sua coleção era bastante colorida, o que transmitia alegria e irreverência. Duas de suas peças traziam a técnica de Patchwork, mostrando que artesanato e moda andam juntas. Também gostei muito de alguns looks que me remetiam ao malandro da Lapa. No geral, achei a coleção com um estilo sofisticado despojado.

E por último, mas não menos importante, a marca que leva o nome da própria designer, Viviane Blanco. Viviane Blanco é uma marca de moda praia feminina que veste do manequim 36 a 56.

A designer trouxe para a passarela uma coleção resort surpreendente. Suas peças eram refinadas, versáteis e sensuais (sem ser vulgar, é claro). A coleção também apresentou muitas cores e estampas que com certeza serão hit no verão 2019.

Todas as modelos usavam brincos feitos com sobras de malha, que além de agregar valor ao look, mostrou o lado sustentável da marca ao se preocupar em dar utilidade para as sobras.

Espero que tenham gostado de conferir  o desfile do PMR Let’s Go.

Beijos e até a próxima.

Compartilhe com os amigos
comentários0

  • Patchwork Design & Arte Natal 2018
  • Está chegando a Mega Artesanal 2018
  • Bate Papo com Rita Paiva e Convidados
  • 16/10/2018

    Olá Criativos, tudo bom? Hoje eu venho contar a vocês como iniciei no mundo da costura, vamos lá?

    Como muitos já devem saber, comecei a fazer artesanato com 12 anos e de lá pra cá aprendi várias técnicas, mas a costura só entrou na minha vida a poucos anos atrás.

    Apesar da minha bisavó ter sido costureira e minha avó costurar suas próprias roupas quando nova, a costura não foi uma coisa passada de mãe para filha como acontece em muitas histórias.

    Na época que comecei a fazer artesanato com a minha avó, ela já não costurava a muitos anos e, eu mesma, nunca tinha demonstrado interesse que gostaria de aprender a técnica.

    Então, o tempo foi passando e fui aprendendo e estudando outras técnicas. Mas apesar de nunca ter demonstrado interesse, eu tinha uma certa paixão por máquinas de costura, tanto que as vezes tinha vontade de comprar uma sem mesmo aprender a costurar.

    Muitos anos depois minha mãe comprou uma máquina para minha avó, confesso que até tentei usar uma vez a máquina, mas como não consegui, deixei para lá.

    Anos depois a máquina que era da minha avó acabou se tornando minha e como tinha um certa dificuldade de aprender a costurar naquela máquina, acabei comprando outra máquina para me facilitar, mas não adiantou muita coisa. Não entendia direito como as coisas funcionavam e também não fiz muito esforço para entender.

    Tempos depois levei as duas máquinas para dar uma geral (pois acabaram ficando paradas por um tempo), vi uma relíquia da costura. Uma máquina de costura da Singer antiga, aquela pretinha, estava a venda e funcionando. Não resisti e comprei rs.

    E aí me vi com três máquinas de costura funcionando e eu sem saber costurar. Depois dessa não tinha mais como fugir, tinha que aprender a costurar. Comprei vários materiais e surgiu a oportunidade de fazer um workshop de Utilitários Térmicos com a Renata Vial e foi quando eu me apaixonei de vez.

    Fiquei tão empolgada que acabei fazendo também um workshop de sapatinhos de bebês com a Nanda Selan e depois disso passei a exercitar em casa. O que me ajudou mais tarde com o curso de produção de moda e com um curso de bolsas também.

    Hoje, eu vejo que aprender a costurar não é difícil e exige muita paciência, mas nada que alguns treinos não ajudem. Ah e lembre-se que antes de querer começar a costurar você tem que conhecer bastante a sua máquina.

    Espero que vocês tenham gostado da minha história e me contem também um pouquinho da sua, que tal?

    Beijos e até a próxima!

     

    Compartilhe com os amigos
    comentários0

  • Patch & Arte acontece essa semana e reúne tudo para quem gosta de patchwork e outras artes manuais!
  • Comprinhas de livros – Artesanato e Organização
  • COMO USAR O GEL 3D ART – Demonstração Feira Patch & Arte 2017
  • 13/06/2018

    No dia 9 de junho, aconteceu no Novotel Porto Atlântico o Lançamento do Case da 8ª Edição do Projeto Moda Rio e eu tive a grande honrar de participar e conhecer um pouco mais de perto sobre esse projeto que é muito mais que um evento de Moda.

    O Projeto Moda Rio é uma startup com foco na gestão de capital humano dentro do setor da moda carioca que possibilita ao mercado descobrir, mostrar, capacitar, desenvolver, instruir e construir novos profissionais e novos produtos em âmbito nacional, possibilitando através de um único espaço, que estes produtos sejam vistos como campos estratégicos de compra e venda de serviços e produtos. Um local para despertar novos talentos!

    E sabem quem está por trás e pela frente deste grande projeto? Wallace Safra, grava esse nome bebê, pois  já posso adiantar que o cara é foda.

    Wallace Safra, idealizador deste grande projeto, é também produtor artístico e de eventos da Ouro Produções, Coach Fashion, sócio no Ateliê By Izaquis, além de ser assessor e consultor de várias marcas nacionais.

    Não disse que o cara é foda?! E foi o próprio que me convidou para estar fazendo parte desse momento especial e eu, é claro, aceitei sem pestanejar.

    Durante o lançamento do case, tivemos uma apresentação sobre o Projeto e conhecemos um pouco sobre o mundo das misses, com a presença das Misses Rio De Janeiro Sabrina Amorim (2016), Isabel Correa (2017) e Amanda Coelho (2018). Também tivemos um super bate papo, onde podemos nos apresentar, tirar duvidas sobre o projeto e, inclusive, sugerir ideias para a 8ª edição.

    E sim, a 8ª Edição já está com data e local definidos. A 8ª Edição do Projeto Moda Rio será realizada nos dias 29 e 30 de setembro no Parque das Ruínas em Santa Teresa – RJ.

    Está curioso? Quer vivenciar um pouquinho do que falei até aqui? Então é só assistir o vídeo!

    Espero que tenham gostado e em breve trarei mais informações e a programação do evento. Fui!

    Compartilhe com os amigos
    comentários0

  • Minha primeira grande produção no mundo da moda
  • Eu Fui! Rio Moda Rio
  • Projeto7oitavos